andar com o pé eu voo

eloise de vylder

Arquivo para pássaros

alguns segundos de uma tarde de quinta-feira

Meio macambúzia, no quintal, como se contasse pingos, olho para a chuva miúda que cai quase ininterrupta há quatro dias quando um beija-flor de rabo branco corta o espaço em direção à flor vermelho-vivo do hibisco. O olhar se ilumina e acompanha o bater de asas e o bico que sorve o néctar demoradamente. Com graça ele deixa a flor e pousa sobre o fio do varal, tirando a língua para fora repetidas vezes, num delicado lamber de beiços. Na cara até então fechada, o canto dos lábios esboça um leve movimento ascendente. A ave limpa as asas, com gestos precisos de fechar e abrir, talvez sacudindo uma gota d’água da qual não soube se esquivar. Olha para o lado, hesita. Investiga meu olhar e o resto do mundo ao redor. Mas logo voa, com aquele tipo de delicadeza que não faz distinção entre movimento e repouso.  Inesperada, uma exclamação silenciosa dura o intervalo entre a sístole e a diástole: Ele vem em minha direção!

Mas, aaah… Nada disso… Apenas mata a curiosidade em relação aos prendedores de roupa coloridos e parte novamente em direção às flores de hibisco. Confunde-se com a folhagem, deixando o meu campo de visão. No rosto, o sorriso ainda pousa largo.

beijaflorrabobranco

(peguei essa foto – excepcional – na internet há algum tempo e peço perdão ao autor se não consigo encontrar mais o endereço do site para dar o devido crédito.)

Anúncios

brujería

madrugada, perguntou-me a coruja
se acredito ou não en las brujas.
respondi que não, e tenho dito,
pero que las hay… ai ai!

namorico

rolinha em cima do muro
columbina diz pra pierrô:
– jura que me ama?
– juro! – ele falou

(o amor está no ar…)

e trocam mimos
e catam pulgas
e beijam no bico
e fazem ninho

em seu namorico
de passarinho

***

sério, esses bichinhos se chamam Columbina talpacoti

maritaca

essas danadinhas gostam de uma árvore aqui da rua, que tem vagens enormes. ouvi a algazarra e fui lá fotografar, mas depois da primeira foto elas ouviram os gritos de outras maritacas mais ao longe e saíram em debandada. só saiu essa, escondidinha.

tarde ensolarada,
a maritaca trina
qual uma matraca:
hakuna matata